22:53

Justificativa

Esta é uma cereja de Anavlis |

_




Por forças superiores essa semana não houve postagem e nem haverá na próxima.

Beijos sabor cereja! ;*


_

01:40

Na posição dos BICHO (Parte 1)

Esta é uma cereja de Anavlis |

EEEEEITA que hoje é SEXTA-FEIRA e eu estou com a gota! 
Então bora falar de sexo porque se a gente não faz tem mesmo é que falar...

 
                                                     ARRASOU.        \o/       
 Primeiramente,
Funk divide opiniões, verdade.
Eu odeio brega exageradamente explícito (sim, há alguns bregas escrotos que eu ainda ouço. Não vou mentir pra não morrer sem bimba). 
QUALQUER pessoa inteligente e civilizada ODEIA pornografia animal gratuita e sem propósito. (Você curte? Então vai ver você não pertence ao grupo mencionado na frase anterior. Desculpa!)

Sem dúvida alguma, esses dois tipos de música apresentam uma vulgaridade que chega a soar ofensivo, algumas vezes. Mas uma coisa não podemos negar: HÁ COMO TIRAR PROVEITO DESSE LIXO SOM. Qual? o sexual, lógico. Qual outro seria?

'TODAS JÁ OUVIU' esse repertório inteeeeiro de bregas e funks que é quase uma ode ao sexo totalmente explícito e até descontextualizado. Mas você, leitor (a) gostoso (a) que me lê nesse instante, já pensou que vendo por outro lado esses hits podem incrementar sua vida sexual? Pois é, é tanta posição que dá pra passar no minimo UM ANO sem precisar recorrer ao Kama sutra ou sites da internet com dicas quentíissimas..

Pensando nisso, venho aqui realizar um trabalho inédito no Bombas de Cereja. Apresentar o quão GOSTOSA uma música nojenta dessa pode deixar a sua trepadinha.. Antes de tudo, calma! Eu não bebi. Não fumei. Não injetei. Não fudi. E não fui à igreja universal (a pior das opções). Apenas quero provar até pra mim mesma que uma cafuçagenzinha e baixariazinha as vezes é legal e excitante. 

Escolhi inicialmente duas posições (ovacionadas na voz da classe cafuçú) para participarem desta postagem. Vamos a elas e ao estudo:

Posição da aranha
Poetas: MC Vertinho e MC Leozinho
Referência BibliográficaAQUI
Referencial teórico:Existem várias versões para esta posição. Mas escolhi essa por.. por.. NÃO SEI. Simplismente escolhi essa carniça que consiste basicamente em 'bota a mãozinha pra trás e vai descendo até o chão. E lá no chão tu se arreganha. Abre as pernas e se arreganha'. Suponhamos que você e seu bofe escândalo vão visitar aquela amiga que está de ap. novo. Digamos ainda que ela vai andar de bicicleta, na padaria, ou comer o namorado.. Daí vocês, como gostam de emoção, resolvem se comer ali mesmo. Na cozinha do babado. Uma idea legal você bancar o Peter Parker e extravasar sua teia.

Posição da Patinha de Siri
Poetas: MC Catende
Referência BibliográficaAQUI 
Referencial Teórico: Acredito que a grande maioria da população que acasala já deve ter feito essa posição. Mesmo sem saber qual era o nome da bendita, você certamente já deve ter escancaro a sua perna (seja de lado ou de frente). Existem várias adaptações para essa posição: apoiar a perna no ombro do cara; ou na cintura dele; ou até mesmo tentar bancar a Daiane dos Santos e esticar a sua perna para a sua própria cabeça (quem consegue isso arrasa muito).

Bem, queridos, inicialmente é essa a ideia. Lembrando que logo logo postarei as outras tantas posições. Só não postei nessa porque não há nada pior que um post imenso, do tamanho da fatura do meu cartão de crédito.

Créditos das imagens horrorosas: Silvana Sabino ;*

Beijos sabor cereja!

20:55

Namorar? Pra que?

Esta é uma cereja de Anavlis |

NAMORAR - (Raro, man) – Classificação afetiva indefinida.

Significado de Namorar:
V. T Procurar inspirar amor a; requestar, cortejar; fazer a corte a; arrastar a asa para.
Cobiçar, desejar vivamente possuir.
V.I. Andar em requestos ou galanteios.

Função: (Coloque aqui qualquer frescura).



Sempre achei que namoro devia servir apenas pra trazer sorriso pra quem o vive. Sempre.  Acho que me magoava mais que as próprias pessoas que sofriam por causa de um namoro acabado, uma traição vivida, um(a) canalha conhecido(a). A pergunta de que pra que serve um namoro me persegue desde a primeira paixão que senti, lá pela segunda série. Afinal, porque as pessoas resolvem firmar votos de fidelidade, de amor eterno, e todas essas jurinhas que só cabem a um namoro quando se está apaixonado? Será que a gente consegue seguir com um namoro após anos de relacionamento, e quando não nos sentimos mais aquele frio na barriga só de pensar no(a)  escolhido(a)? Aprendi com o tempo que sim. Para alguns, faz parte da rotina da vida, acordar, ligar, mandar qualquer mensagem doce, e marcar um encontro no final do dia. Tudo isso sem um pingo de paixão.  Por costume, por interesse, por carência. Qualquer motivo não nobre, que faça alguém tocar uma relação pra frente (ou estagná-la, quem sabe).

A verdade é que a gente cresce, e todas as convicções adolescentes, e depois as de bar principalmente, que a gente cria sempre se mostram contraditórias, ainda que demorem.  Já achei que nunca ia querer namorar alguém pra ficar livre de qualquer fulaninho que ousasse pensar que era obrigado a saber até o que eu pensava. Isso com 13 anos. Depois achei que era uma fofura esse mimimi de casal, e que meus namoros com 15 ou 16 anos iam durar até os netos. Já achei até que nunca mais ia gostar de ninguém depois de uma decepção qualquer (qualquer sim, mas a gente só vê isso quando se sente uma velha de 70 anos, mesmo estando na casa dos 20) iam me fazer virar uma freira mal amada, e ia me isolar no Tibet (ainda me pergunto se não era a melhor opção mesmo).
Já acabei namoro por que enjoei do terrível perfume do desgraçado, e até já namorei porque estava convicta que achara o homem da minha vida, quando era só um carinho de amigo. Perdi o namorado e o amigo.  Não morri. Até tentei (ok, essa parte é a da piada sem graça).
Mas namorei e morri de amor infinitas vezes. E até hoje, não sei pra que serve.

Se for pra pensar num futuro, a gente pensa sem necessariamente exigir uma exclusividade, ou chorar quando o fulano esqueceu a data do namoro (merecendo um murro, mas chorar). (Engraçado   Lamentável que pra alguns, essa exclusividade, se transforma em mais sentimento de posse do que em carinho, amor, ou cuidado).
 Se for pra ir ao cinema abraçadinho, a gente faz isso com um(a) diferente toda semana, se quisermos (mesmo que seja aquele cafuçú da sua rua).
Se for pra chorar no ombro, a gente liga pro melhor amigo, que te faz brigadeiro e não enche seu saco por conta dos seus decotes (se for aquela bee, melhor ainda, vai dizer ARRASA, GATA! - Ou seja, SÓ AMOR).
Se for pra apresentar pra família (não consegui pensar num benefício disso, você vai ter um monte de tia lhe torrando a paciência perguntando por que você troca mais de namorado do que de calcinha).
Se for pra fazer sexo, a gente com certeza não precisa namorar, pode ter qualquer caso fixo (que te dê menos dor de cabeça do que um namoro), e ser feliz sendo “livre” por aí.
Se for... Pra qualquer coisa. Afinal, pra que raios a gente namora? Os românticos de plantão me chamariam de mal amada e diriam que fui corneada e preciso desabafar (isso aqui não é um Chora, amiga!),  até porque, acho que sou um caso raro: tenho um carinho especial por todos os meus ex, até pelos que acham que sou perversa, e pros que sumiram no mapa depois de arrumar outra. Ex é uma coisa engraçada – a gente jura amor, e depois a morte do desgraçado – mas, ainda assim, te proporcionaram muitos beijos, colos, momentos felizes, e (depois aquela piriguete, ou pé na bunda) mas, pulemos esses detalhes.

Eu achava que qualquer relação se dava por conveniência, as de amor ou amizade. Mas desisti dessa idéia depois que entrei em nãoseiquantas brigas pra salvar uma amiga sem noção, ou comecei a namorar a distância (que é uma delícia a saudade, mas não é nem um pouco conveniente para o bolso).
A verdade, é que namoro vai te dar prejuízo. A não ser que você e seu par sejam altamente desprendidos de qualquer ciúme, rancor, frescura, e vontade de ganhar presente no dia dos namorados (geral vem com um discurso hipócrita que é só mais uma data do sistema cruel – blábláblá – escravista – sei lá o que – capitalista, mas deixe de dá nem que seja uma flor com chocolate pra você vê a casa cair).
Ou seja, IMPOSSÍVEL.  É isso aí, prejuízo mental e financeiro (ACORDA, COLEGA).

Contando que a gente sempre junta uma graninha pra aquela lembrancinha, ou pro cinema do final de semana, ou pra viagem (que te deixa pobre) no final do mês (meu caso, OH GOD), você ainda assim, vai viver briga, cobrança, encheção de saco, filhos da puta provocando sua ira mandando mensagem ou recadinhos, amiguinhos (nhas) sonsos (sas) esperando seu vacilo pra lhe tascar uma par de chifres,  e mais uma lista de coisas terríveis.
E ainda assim, nós (raça humana) idiotas que somos, insistiremos em começar aquela relação que tem tudo pra ser diferente de todas as outras, mas na verdade, não vai ser. (Isso, se você começou um namoro mês passado, e tá nessa vibe que a vida é rosa baby e seu namorado vai te dá um jardim de presente – pode sentar e chorar).
Não sei pra que serve um namoro, nunca descobri. Ainda assim, ocupo meus dias pensando, e escrevendo sobre isso.  – (Tô indo ali me chicotear). A verdade é que depois de milhares de textos sobre relações, sobre como transformar a sua, especial-mimimi-única, em uma perfeita, como sair de uma relação de cabeça erguida, ou qualquer outra coisa que você lê nas reportagens fantasiosas da Capricho quando tem 14 anos, nunca explicaram pra que serve afinal um namoro. Minha intenção quando comecei a escrever há 10 minutos atrás, nem era mais uma vez, me questionar sobre isso. Era só escrever meia dúzia de frases raivosas pela briga que tive ontem com meu namorado.  (Olha aí, amiga, eu também achava que era perfeito).  Mas, não consigo fugir disso.
Não consigo me esconder desse questionamento que todo mundo deveria fazer na vida  antes de iniciar uma relação. Ok, eu não faço isso, vou com sinos e passarinhos cantando, mas depois me arrependo, e penso, que a gente sempre deve se questionar se um namoro vale a pena, ou, um namoro com aquela pessoa especificamente vai te fazer feliz, ainda que você queira matar ela quando as brigas começarem.

Será que paixão é suficiente pra agüentar todos os defeitos e altos e baixos de um namoro?  Não me fale nem de amor, porque esse filhodaputa aí, me tira o sono pensando se é realmente proveitoso a gente deixar ele se alojar na gente (Sim, eu acredito que amor é escolha e permissão).
Mas, se fosse pra dá um conselho a qualquer um, eu diria: Namore. Ainda que seja pra depois você vê que é uma furada, e cometer um assassinato.



Jéssika Alves (ex-presidiária).


(Ok, brincadeira).

Beijos sabor cereja!

01:30

Vai um MENAGE, aí?

Esta é uma cereja de Anavlis |

Um é punheta.
Dois é Legal.
Três é MENAGE!!

Se você é daqueles que anda achando a densidade demográfica da sua cama muito baixa e que deveria dar uma agitada na procissão; ou que ADORA realizar a profecia e proeza de consumir dois corpos ao mesmo tempo; ou até mesmo se isso NUNCA passou na sua cabecinha, aviso logo: ESTE POST JÁ ESTÁ ATÉ LUBRIFICADO PRA VOCÊ FAZER TOTAL USO DELE.

                                                          UUUUUUUUUUUUUUUUUUI.

Primeiramente, ménage não é coisa do satanás ou de quem sofre distúrbios sexuais. Abstraia sua mente desse pensamento infeliz. Menage é uma tara/curiosidade que algumas pessoas têm em relação ao sexo, que  consiste basicamente nisto: H+H+H = H+H+M = H+M+M = M+M+M
Ou seja, maneiras de fazer é o que NÃO falta.
Imagine duas pessoas ao mesmo tempo te saciando, e você a elas. Ou então a conversa legal que podem ter após o coito. Dá até pra jogar burrinho no dominó ou brincar de pedra papel tesoura..

Porém algumas pessoas ainda sentem-se desconfortáveis perante a situação sabe lá por que.
Sabendo disso, elaboramos três pontos em relação ao sexo a três que pode ser muito importante para te fazer pensar a respeito..

1)   Por que não fazer?
Então, a maioria das pessoas não deseja trepar com mais de uma pessoa por dois motivos principais: Ciúme e vergonha. Elas ainda não conseguem adicionar mais um corpo no pacote por entenderem que sexo é algo feito pra dois. Algo que só VOCÊ deve fazer com o seu par. E incluir alguém nisso só atrapalharia todo o clima de sedução entre vocês. A vergonha também conta. Vergonha de se expôr perante mais pessoas. Vergonha de sabe lá o quê.. mas elas têm.

2)   Por que não foi tão bom?
Então, digamos que você já fez o estrago entre as quatro paredes. Agora, o que pode ter saído errado? Simples. Você pode ter se apegado a quem tenha se dedicado mais a você; ou tenha sobrado no ato, ficando apenas como mero expectador; ou ficou muuito tímido por talvez não ter intimidade suficiente com as outras duas pessoas. O fato é que esses pontos podem estragar o seu cabaresinho. É necessário ter em mente que se algum dos envolvidos NÃO for seu PARCEIRO fixo, não há sentido criar sentimento. E que é legal você estar de boa consigo mesmo antes de decidir praticar o oba oba. A não ser que você esteja bêbado (totalmente entregue ao mundo da potaria e da promiscuidade),
tenha total e absoluta certeza do que está fazendo..

3)   Quem fez e gostou, recomenda!
Todas as pessoas que eu ouço falar que fizeram ménage, e gostaram, recomendam. Dizem ser algo que, feito de maneira legal, é coisa do outro mundo. A fantasia de ter alguém te fazendo um oral enquanto a outra te beija é única. E que se você fizer com as pessoas certas não tem como dar errado. Seja com um casal descolado conhecido (se você for solteiro), com pessoas desconhecidas ou com amigos, o importante é se sentir preparado para o ato naquele momento. Levando em conta que mesmo que a sua fantasia seja apenas com desconhecidos, não esqueça de criar uma proximidade mínima para fazer do momento não uma copulação de animais, mas uma situação divertida entre pessoas que se curtiram.

O legal é você viver todas as suas fantasias sem medo e culpa. Se te atiça pegar aqueles dois garçons da budega mais próxima, e eles demonstram interesse nisso também, (e você não é comprometida) se jogue, minha filha! Nós só vivemos uma vez nessa porra. Não sabemos se teremos outra chance de fazer tudo o que desejamos. Então aproveite todas as oportunidades legais que aparecerem pra você. E não se preocupe com a opinião dos idiotas se você sabe que sua felicidade não prejudica diretamente alguém. GOZE!

                                              Isso mesmo. Arrase!
   
Ps: Lembrando que, mesmo que você conheça bem as pessoas envolvidas, não esqueça de usar camisinha porque você não é obrigado a viver sob esse tipo de risco, né? Bora viver, bora trepar, bora pegar mais de um bofe, bora gozar,  mas bora fazer isso de maneira responsável e consciente, viu?


Beijos sabor cereja!

00:43

Cai fora, gigolô!

Esta é uma cereja de Anavlis |


Seguinte, desde os primórdios dessa putaria chamada mundo o macho tem se posicionado na posição de caçador, comedor e fodedor. Ele caça. Ele come. Ele penetra. Ele paga.


Com o passar do tempo a roda gigante foi circulando e as coisas foram mudando. As mulheres alcançaram espaços de maior destaque na sociedade e dentro do ânus de alguns rapazes (Sim. Muitos homens ADOGAM o movimento de entra e sai dentro da sua toba). Óbvio que não há problema nisso. O caneco é seu e cada um faça o que quiser com ele.


Só que muitos projetos de machos se empolgaram tanto nessa brincadeirinha que tornaram-se malandros e verdadeiros gigolôs. Eles se aproveitam porque existe mulher nesse mundo que tem o juízo na cabeça (e não na sua SUPER VAGINA) e que aceitam dividir a conta por não concordarem dos carinhas as sustentarem em tudo. É totalmente ridículo um cara que se passa a querer ser sustentado por sua ficante/namorada/peguete/otária/amante/a porra toda. Uma coisa é os dois racharem a conta, ou revesarem como gente civilizada e desprovida de pré-conceitos. Ela também pode pagar quando você estiver no liseu ou até mesmo te emprestar uma graninha. Mas uma ooutra coisa MUITO DIFERENTE é você fazê-la pagar a primeira ida ao motel de vocês, dizer que está sem grana só pra ela pagar a prestação do seu tênis, etc..






Deixa eu só esclarecer uma coisa. Quando falo em ele pagar o motel quero dizer que para nós isso soa como uma preocupação do cara em nos agradar. Não como um pagamento ou pré-requisito para a trepada que ocorrerá. Quando o cara faz questão de nos presentear e nos tratar como 'princesas' obviamente acharemos isso divino. Mas temos o bom senso de entender que NÃO somos cocotinhas e o cara não é pai nem otário para pagar até nosso papanicolau.


Bem, colega, se seu bofe tá de rosca e costuma te deixar sempre como presente aquela conta de R$ 6,00 da padaria, e se te incomodar, chegue na boa e converse. Fale que você NÃO É OBRIGADA A BANCAR FOLGADO. Claro, você não precisa ser tão direta. Fale de maneira sutil para o bofe entender e não culpar a sua TPM pelo discaramento dele. Agora, se não resolver, use-o como moeda de troca para pagar aqueles 3 contos que faltaram no açougue.


Beijos sabor cereja!

Subscribe